24.12.10

08 - HISTÓRIA DO MONUMENTO DA CUIA E CHALEIRA

Foi no início do ano de 1978 que os moradores da vila de Canarana, que era distrito do Município de Barra do Garças, se organizaram para emancipar Canarana tornando-se assim uma nova cidade no coração do Centro Oeste brasileiro. Na época, em função de sua grande extensão territorial, Barra do Garças era considerado um dos maiores municípios do mundo,
Naqueles anos a população de Canarana era constituída em mais de 80% de moradores vindos dos estados do Sul do Brasil. Por isso estes moradores, na sua maioria agricultores, eram chamados de gaúchos. Este apelido, com certeza, soava bem nos ouvidos dos agricultores sulistas vindos, não só do Rio Grande do Sul, mas também de Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul. Todos eles tinham origem e parentesco com os pampas do Rio Grande.
Este sonho da emancipação urgente era motivado  pela falta de assistência do município de Barra do Garças em todas as áreas, especialmente da saúde, educação e estradas. A distância da Sede do Município, que era de 340 km, se constituía um dos maiores motivos para criar uma cidade e prover ela da infra-estrutura necessária para todos.
Criou-se então a Sociedade Amigos de Canarana – SAC. Esta sociedade tinha como objetivos: 1º) Levar a frente o movimento e emancipação; 2º)  representar a população junto aos órgãos dos governos municipal, estadual e federal, pois Canarana ainda não tinha grande representação política nestes poderes;  3º) organizar a Vila de Canarana para dar a ela um aspecto de cidade, com abertura de ruas, avenidas e praças. Vale frisar que este trabalho de embelezamento da cidade era feito em forma de mutirão pela população sem remuneração. Existia um espírito de bairrismo dos habitantes de Canarana, que queriam ver a cidade crescer e ser a mais bonita.
Dentro deste sentimento algo deveria ser feito para marcar e cultivar estes sentimentos. Foi então que numa reunião da Sociedade Amigos de Canarana – SAC, foi proposta a idéia de se construir um monumento ou algo que fizesse memória do esforço e sacrifício dos pioneiros, que sem auxílio de verbas do governo,  só no esforço e na fé de vencer, construíram CanaranaFoi aí que Guido Afonso Rauber, na época gerente da Cooperativa de Colonização 31 de Março Ltda – Coopercol, se colocou a disposição para elaborar um projeto para construção do monumento da Cuia e da Chaleira.
Na reunião seguinte da SAC foi apresentado o projeto, que  depois de visto e analisado, todos o aprovaram. Como havia na época falta de pedreiros, o próprio Guido construiu o monumento juntamente com  alguns auxiliares.
A inscrição “Em Homenagem a Você” deverá ser perpetuada e destinada a todos aqueles que visitarem o monumento.  Para definir o formato da chaleira o autor se inspirou  numa chaleira da sua casa paterna. Seu pai falava que aquela chaleira, na qual se inspirou, tinha mais de 100 anos. A cuia e a bomba também foram inspiradas nos modelos existentes na infância na casa dos pais.
Segundo o autor, este Monumento da Cuia e Chaleira de Canarana não tem similar. É criação própria do autor e hoje a fotografia deste monumento está espalhada pelo Brasil e pelo mundo. O Monumento da Cuia e Chaleira foi inaugurado em 25 de julho de 1979, dia do Colono e do Motorista, muito comemorado e festejado no sul. Esta data tem sua origem na chegada ao Brasil dos primeiros imigrantes alemães e italianos, acontecida no dia 25 de julho de 1875.

3 comentários:

  1. Uma pena que os detalhes em madeira, atualmente aparecem pintados de amarelo.
    Não sei se foi em função de problemas de conservação, mas tirou uma boa parte da beleza e da naturalidade do monumento.

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente.

    ResponderExcluir
  3. Meu pai ajudou a fazer a cuia e a chaleira JOSÉ XAVIER SIMÕES NETO. Ele aparece aí na foto bem gente se aleguem te o número de Armindo ou alindo BROETTO. Podem me passar por favor... E q a anos agente tenta fala cm eles mais n temos contatos... Obrigada....

    ResponderExcluir