21.12.10

11 - HISTÓRIA DA FEIRA LIVRE DO CENTRO DA CIDADE - 1990 a 2005

A Feira Livre, que se situava na Avenida Rio Grande do Sul, centro de Canarana, foi a primeira obra construída pela Administração Darci Jesus Romio e Guido Afonso Rauber. Sua inauguração aconteceu no dia 13/05/90. A obra contou com uma verba da Secretaria Estadual de Agricultura, que na época tinha como secretário o Engenheiro Agrônomo Orlando Roewer. O governador do Estado era Carlos Bezerra.
         O vice-prefeito da época, Guido Afonso Rauber, além de projetar a feira foi o coordenador dos trabalhos de sua construção. Segundo ele, a sua construção foi reivindicada pelos hortifrutigranjeiros que tinham como objetivo formar uma cooperativa de produção e venda de hortaliças para cidade e com isso necessitariam de um local para comercializar seus produtos. Naquele ano a Prefeitura incentivou a formação de hortas comunitárias. Foi com esse apoio que nasceu a horta comunitária do Jardim Bela Vista, que continua funcionando até hoje.
         Além de servir como feira do produtor o local transformou-se num centro de eventos culturais, políticos, sociais, religiosos e educacionais. As feiras do produtor eram sempre um grande encontro da comunidade onde eram apresentados números artísticos pelos talentos locais.
         A Feira Livre foi palco de diversos festivais da canção, carnavais de rua, feiras de ciências, atos cívicos, atos religiosos, palestras, festas natalinas e encontros políticos. Durante muitos anos a Feira Livre foi o principal local de encontro da comunidade de Canarana. Um local acolhedor, livre e aberto para todos. Certamente que no coração de cada canaranense permanece uma lembrança, uma saudade e um sentimento de tudo de bom que foi realizado neste local.
         Com o surgimento da Feira Nordestina, realizada todos os domingos no Bairro Nova Canarana, a Feira Livre do Centro não foi mais usada pelos hortifrutigranjeiros. Ela continuou sendo palco de eventos, mas com menos freqüência. Em função disso passou a ser freqüentada por andarilhos e mendigos.
         No ano de 2002, com apoio da Administração Evaldo Osvalldo Diehl, da Câmara de Vereadores e outras lideranças da comunidade, o Centro Cultural e Artístico iniciou um trabalho visando transformar a antiga Feira Livre em Feira do Artesão. As lideranças culturais e comunitárias entendiam que a Feira Livre deveria permanecer neste local por ser um marco histórico da cidade de Canarana.  As obras estavam em pleno andamento e no que fossem concluídas a Feira seria transformada de novo num lugar cheio de vida. Além de ser um centro de cultura para a comunidade de Canarana, seria um lugar visitado pelos turistas, pois ali teria uma exposição permanente dos melhores produtos artesanais do Município.
         Nas obras de transformação da Feira Livre em Feira do Artesão foram investidos recursos da Prefeitura que custeou a mão de obra, verbas da Secretaria Estadual de Cultura e recursos do Centro Cultural e Artístico de Canarana, arrecadados através de campanhas e eventos. No total foram investidos mais de R$ 50.000,00(cinqüenta mil reais).
         Esse projeto, porém, foi interrompido pela Administração Municipal, tendo como Prefeito Walter Lopes Faria, com apoio de cinco dos nove vereadores da Câmara. No dia 10 de dezembro de 2005, por volta das 05:00 horas da manhã, embaixo de chuva, os funcionários da prefeitura iniciaram a demolição da Feira. Como o Centro Cultural tinha ingressado na Justiça com uma ação em favor da manutenção da Feira, as autoridades judiciárias foram acionadas e por volta das 08:00 horas a demolição foi interrompida.
         Posteriormente a Prefeitura Municipal e o Centro Cultural fizeram um acordo e a Feira do Artesão foi totalmente demolida ficando no local uma plantação de grama. O acordo foi realizado através de uma audiência realizada diante do Juiz da Comarca, Dr. André Barbosa Guanaes Simões no dia 23 de fevereiro de 2006. Representando a Prefeitura estavam presentes o Secretário de Obras Sadi Turra e o advogado Dr. Alberto Souza. Do lado do Centro Cultural estavam a presidente Gema Favreto Colling e o advogado Dr. Rodrigo Manfrói. Como testemunhas da parte do Centro Cultural estavam presentes Werner Diehl e Domingos Finato. 
Ficou acordado diante do Juiz que a Prefeitura iria ceder para o Centro Cultural um pavilhão construído ao lado do Campo de Futebol da Catuense denominado Centro de Comercialização de Artesanatos. Iria devolver os vidros temperados que haviam sido adquiridos para o fechamento de todas as aberturas da Feira do Artesão. Também pagaria uma dívida de R$ 3.500,00(Três mil e quinhentos reais) junto ao Sicredi e  iria construir uma réplica das primeiras casas de Canarana ao lado da Sociedade de Damas com objetivo de ser uma feira permanente de artesanato.  


Assim teria ficado a Feira Livre do centro da cidade
         

2 comentários:

  1. E daí? Ficou assim msm? Ninguém fez mais nada de 2006 pra cá??? Qual a responsabilidade prefeitura em tudo isso? Estou indignada!

    ResponderExcluir
  2. From David D Y Choi, who is ;
    repairing used rotten bike from recycling lot, to go around, due to income lessness status.

    ====


    Under the Sky,
    One should be equal as long as Human Being.

    Underprivileged social class,
    Before the birth, even after the death,
    this underprivileged group should follow the pre-framed given route.

    Upon realizing that crossing the given route is limited,
    its trial object would be named as ‘Betrayer’ or targeted as ‘Gov. Sanction’.

    Extending of this status,
    urged and resulted let David create hand written images between # 1 and # 58.

    Still, there, no one, no response, no way to get out, its condition is extended.
    Its uselessness, barren condition has been extended as usual.

    David D Y Choi, February 2019 ( e-mail ; duly@gmx.com, or cdyera@yandex.com )
    Personal URL : http://www.cdyera.wordpress.com
    ( at URL, on the bottom site, linked images are available )

    ResponderExcluir